Alto Oficial do Pentágono Renuncia em Meio a Afirmações de Segurança Cibernética a Nível de 'Jardim de Infância' nos EUA

Nicolas Chaillan, um oficial sênior de segurança cibernética do Pentágono, renunciou ao cargo por acreditar que era impossível para a América competir com a China em Inteligência Artificial.

Em agosto de 2018, Chaillan se tornou o primeiro chief software officer da Força Aérea. Nessa função, ele foi encarregado de equipar o Pentágono com software seguro.

Chaillan, que saiu em 2 de setembro, falou ao Financial Times em uma entrevista publicada esta semana e expressou sua opinião de que a China está muito à frente dos EUA em segurança cibernética .

"Não temos chance de lutar contra a China de quinze a vinte anos. No momento, já é um negócio fechado; em minha opinião, já acabou", disse Chaillan.

Vários departamentos do governo dos EUA foram hackeados nos últimos anos. Em particular, em abril de 2020, departamentos que incluíam o Tesouro dos EUA, o Departamento de Segurança Interna e o Departamento de Estado foram comprometidos como parte do hack do SolarWinds.

Chaillan também afirmou que o gigante da tecnologia Google se recusou a trabalhar com o Pentágono em IA.

Por outro lado, Chaillan disse que na China, empresas privadas de segurança cibernética e IA estão à disposição de Pequim.

Chaillan também afirmou que mesmo que os EUA gastassem três vezes mais que a China na defesa, não faria diferença, porque estavam sendo gastos incorretamente.

No post do LinkedIn anunciando sua saída, Chaillan disse: "Estou cansado de buscar continuamente apoio e dinheiro para fazer meu trabalho. Meu escritório ainda não tem posição nem financiamento, neste ano e no próximo", escreveu ele.

Chaillan pretende testemunhar no Congresso sobre a segurança cibernética e a ameaça de IA representada pela China.