O Aplicativo Malicioso 'Brain Test' Reaparece na Loja do Google Play, Infectando Dispositivos Android via Programas Afiliados

teste de malware do cérebro android app google play store Hoje em dia, os smartphones são tão populares que seria difícil encontrar um adulto em idade de trabalhar que não o possua. Se você fez isso, essa pessoa provavelmente seria a pessoa mais livre de estresse do planeta por muitas razões, uma delas sendo que elas não precisam se preocupar em baixar aplicativos maliciosos da Google Play Store, que reapareceram para assumir o controle de dispositivos infectados.

Na propagação mais recente de malware para smartphone, a Google Play Store está enfrentando problemas com aplicativos de malware novamente depois que muitos deles foram retirados anteriormente em setembro e outubro de 2015. Os aplicativos maliciosos chegaram em bandos, e até 13 deles foram removidos pelo Google em 29 de dezembro.

Aplicativos maliciosos para smartphones, principalmente aqueles projetados para serem executados no sistema operacional Android, tornaram-se um incômodo geral para os usuários de dispositivos que executam o sistema operacional popularizado. Muitos aplicativos de smartphones carregados de malware vieram de fontes de terceiros, enquanto o Google Play Store, a fonte confiável para obter aplicativos legítimos, sucumbiu a vários aplicativos maliciosos que foram enviados secretamente aos usuários.

Os métodos furtivos de aplicativos maliciosos recentes e seus aplicadores estão assumindo uma nova luz, que utiliza programas afiliados que recompensam usuários e webmasters usando um método de pagamento por instalação. A instalação dos aplicativos desavisados foi projetada para enviar malware que eventualmente obtém privilégios de root e instala aplicativos não solicitados sem o conhecimento do usuário.

O aplicativo malicioso para smartphone identificado como Brain Test originalmente infectou mais de um milhão de dispositivos Android através do que parecia para muitos um aplicativo de teste de QI inofensivo. Em sua forma atualizada, o aplicativo Brain Test entra nos dispositivos por meio de um programa afiliado, permitindo que os cibercriminosos ganhem dinheiro infectando smartphones e forçando aplicativos indesejados. Toda a metodologia é bastante engenhosa. Tanto que as principais funções do aplicativo infectado permanecem intactas para não alertar o usuário sobre algo fora do comum, enquanto ele infecta ainda mais o smartphone e se integra profundamente ao dispositivo.

Aqueles que tentaram redefinir seu smartphone ou tablet Android para livrar o malware encontraram um obstáculo. O malware Brain Test, em sua forma mais recente, pode ganhar persistência na inicialização, o que significa que redefinir um smartphone infectado para as configurações de fábrica não removerá a ameaça. Aqueles que desejam eliminar o malware do Brain Test precisarão limpar todo o armazenamento da ROM e reinstalar o sistema operacional Android ou restaurar a partir de um backup.

Na vanguarda da propagação de malware, os smartphones provaram ser quase tão vulneráveis quanto os computadores normais. Uma das principais razões para a crescente disseminação de malware para smartphone é devido à falta de proteção contra dispositivos Android OS de código aberto contra a maior porcentagem de computadores conectados à Internet com o software antivírus adequado disponível e instalado. Até que os usuários de smartphones comecem a tomar medidas proativas para proteger seus dispositivos, limitando o download de aplicativos de terceiros ou executando aplicativos antivírus, a epidemia de malware em smartphones continuará fora de controle.

Deixar uma Resposta

Por favor NÃO utilize este sistema de comentários para perguntas sobre pagamentos e suporte. Para solicitações de suporte técnico do SpyHunter, entre em contato diretamente com a nossa equipe de suporte técnico, abrindo um ticket de suporte ao cliente através do seu SpyHunter. Para problemas com pagamento, por favor acesse a página "Problemas ou Perguntas referentes ao Pagamento". Para solicitações genéricas (reclamaçōes, questōes legais, imprensa, marketing, direitos autorais) visite a nossa página "Perguntas e Comentários"