A Pandemia do Coronavírus está Expandindo os Programas de Vigilância no Mundo Inteiro

rastreamento de coronavírus Tomando medidas para retardar a infecção da pandemia do Coronavírus, mais de 30 governos em todo o mundo vêm ampliando os seus esforços para encontrar indivíduos infectados ou manter a quarentena. Esses esforços e medidas frequentemente comprometem a privacidade pessoal como parte de suas operações.

Em muitos países, isso é considerado um mal necessário, uma vez que os governos precisam das informações para formular melhores estratégias de contenção e gerenciamento de recursos. Ao mesmo tempo, esses mesmos governos possuem o poder de usar ferramentas que minam a privacidade dos cidadãos quando a crise termina. Exemplos de programas como esses podem ser vistos no Patriot Act de 2001, bem como os vários programas de vigilância em todo o mundo, como o PRISM, Echelon, INDECT e o Sistema de Crédito Social Chinês, Projeto 6, Onyx, Tempora e muitos outros. Alguns deles eram clandestinos, outros são de conhecimento público, mas todos eles têm uma coisa em comum - coleta de informações em grande escala. Os poderes de emergência concedidos pelo Patriot Act deram ao governo dos EUA a capacidade de expandir os seus poderes de vigilância, exigindo frequentemente dados de clientes de empresas de telecomunicações sem a aprovação do tribunal. Duas décadas depois, o Patriot Act ainda está viva, e a vigilância e o bem-estar não foram reduzidos. Sob a ameaça da pandemia do COVID-19, vários governos estão ampliando os seus esforços para aumentar o monitoramento para obter um melhor entendimento da propagação do contágio.

Vários Métodos de Rastreamento de Cidadãos estão sendo Usados Globalmente

Países do mundo todo estão usando vários métodos de vigilância para combater a pandemia, geralmente por meio do uso de dados de localização de smartphones. Isso é feito para rastrear o movimento da população até indivíduos no meio de quarentenas, com alguns governos criando aplicativos que oferecem informações ou compartilham dados de localização com as autoridades. Exemplos disso podem ser vistos em um relatório do Vice em março, mostrando um aplicativo do governo iraniano usado para rastrear e registrar os dados de localização de milhões de cidadãos.

O aumento do nível de vigilância também levou agentes mal-intencionados a usar as medidas para levar suas ferramentas ao público em geral. Um exemplo disso pode ser visto com o aplicativo 'corona live 1.1'. O aplicativo é malicioso e, eventualmente, obtém acesso a fotos, mídia, dados de localização do dispositivo e arquivos, além de permissões para gravar áudio e vídeo dos dispositivos afetados. O aplicativo é, de fato, uma amostra do SpyMaxRat, uma ferramenta cibercriminosa potencialmente líbia usada para roubar informações pessoais de suas vítimas.

Os cidadãos argentinos veem medidas semelhantes, mas destinadas a pessoas que quebram a quarentena. O governo obriga os disjuntores a baixar um aplicativo que rastreia as suas localizações o tempo todo. Os visitantes de Hong Kong que chegam ao aeroporto recebem pulseiras de rastreamento que precisam ser sincronizadas com o local de origem usando o sinal de GPS do smartphone.

Um relatório do OneZero mostrou que medidas baseadas na violação de privacidade estão sendo usadas em 30 países e potencialmente mais. Os países listados seguiram as seguintes etapas:

Argentina

O Ministério da Saúde da Argentina usa um aplicativo obrigatório para as pessoas que entram no país, mantendo-o instalado nos seus dispositivos por 14 dias, forçando os usuários a dar acesso aos dados de localização. Atualmente, não está claro para que o governo está usando esses dados e se eles estão rastreando pessoas com eles. A província de Santa Fe supostamente estava forçando os disjuntores de quarentena a baixar o aplicativo que acompanha seus movimentos o tempo todo.

Austrália

As pessoas mandadas para a quarentena podem ter dispositivos de vigilância do governo instalados em suas casas ou podem ser forçados a usá-los, de acordo com uma nova lei aprovada na Austrália Ocidental. O governo australiano decidiu evitar o rastreamento por GPS baseado em smartphone.

Áustria

Uma empresa de telecomunicações australiana forneceu dados de localização de seus usuários por dois dias ao governo. Os dados foram utilizados para analisar seus movimentos pelo país. Os dados foram destinados a grupos de mais de 20 pessoas.

Barém

O país agora está usando pulseiras eletrônicas conectadas a um aplicativo móvel, permitindo ao governo rastrear casos confirmados de COVID-19, semelhantes às medidas tomadas em Hong Kong. Os cidadãos que quebram a quarentena enfrentam uma pena de prisão mínima de três meses, de acordo com o MobiHealthNews.

Bélgica

Três empresas de telecomunicações no país estão dando dados à Dalberg Data Insights, uma empresa que analisa as informações para detectar tendências de movimento dos cidadãos rastreados. O governo também está usando drones para fazer anúncios nas cidades, mas também pode usá-los para capturar imagens de vigilância de suspeitos, de acordo com o Digital Rights Tracker da Tp10VPN.

Brasil

Governos locais em todo o Brasil estão usando os smartphones dos seus cidadãos para rastrear dados de localização. Na cidade de Recife, 700 mil pessoas estão sendo rastreadas por seus dispositivos, apenas um exemplo das medidas tomadas no país. A maior parte do rastreamento realizado está nas mãos de empresas brasileiras iniciantes que trabalham em conjunto com os governos locais.

China

O enorme programa de vigilância da China está sendo usado com todas as ferramentas disponíveis. As autoridades estão usando câmeras públicas para executar o reconhecimento facial; os cidadãos são rastreados por meio de telefones, os drones estão patrulhando os céus para dar instruções ao governo, de acordo com a CNBC. O governo chinês também está rastreando pessoas em mais de 200 cidades usando um aplicativo para smartphone que lhes atribui uma classificação de verde a vermelho com base em sua condição de saúde, de acordo com o New York Times. O aplicativo envia os dados para a polícia e funciona como uma maneira de permitir a entrada em espaços públicos.

Viajar para pontos de acesso ou entrar em contato com pessoas infectadas, além de relatar sintomas no aplicativo, pode resultar no rebaixamento do status de um cidadão de verde para amarelo ou vermelho, restringindo os seus movimentos. No momento, não está claro como se volta para um status verde ou como as decisões são tomadas. O governo também está pressionando as empresas privadas do país para que entreguem seus dados para permitir ainda mais rastreamento de cidadãos dentro de suas fronteiras.

Dubai

As câmeras usadas para detectar motoristas em alta velocidade em Dubai são usadas para registrar placas de automóveis e determinar se o motorista é um trabalhador essencial, de acordo com a Gulf News. O sistema também é usado para rastrear a rota de um motorista e se eles vão funcionar.

Equador

O Equador está usando o rastreamento de localização de telefones celulares em todo o país para impor um toque de recolher todas as noites às 21h e para retardar a propagação do vírus, de acordo com a EcuadorTV.

Alemanha

A empresa de telecomunicações alemã Telekom está fornecendo seus dados de localização ao Instituto Robert Koch, uma organização que coordena a ação nacional contra a pandemia. A Alemanha também está prestes a lançar um aplicativo baseado em Bluetooth para rastrear movimentos pessoais e contatos entre pessoas. A autoridade de saúde pública do país também lançou um aplicativo smartwatch que coleta dados de saúde do usuário para determinar se as pessoas têm sintomas da doença.

Hong Kong

Hong Kong usa pulseiras eletrônicas para rastrear a localização dos cidadãos em quarentena. As pulseiras são distribuídas nos aeroportos e devem ser combinadas com os smartphones das pessoas. Quando uma pessoa chega em casa, ela tem um minuto para calibrar a pulseira andando pela casa antes que o aplicativo entre. Isso define as fronteiras que não deveriam ser deixadas durante a quarentena.

Índia

O governo indiano expandiu o rastreamento de cidadãos usando medidas analógicas e digitais. Dados de CFTV e localização são usados para rastrear cidadãos em Kerala, de acordo com a Reuters. Os estados ocidentais do país também estão carimbando as pessoas que chegam nos aeroportos com tinta permanente, mostrando a data final em que a pessoa deve ficar em quarentena. Além do rastreamento pessoal, as autoridades estão recebendo informações de passageiros de empresas ferroviárias e aéreas. Os scanners de impressões digitais são evitados para reduzir a propagação do vírus, de modo que o reconhecimento facial está sendo adotado em massa em todo o país. A SecureEye, uma empresa de telecomunicações indiana, está substituindo seus 650 pontos de verificação de segurança de impressões digitais em hotéis e escritórios por sensores de reconhecimento facial.

Indonésia

O governo indonésio desenvolveu um aplicativo que rastreia as interações entre dispositivos Bluetooth, como smartphones, para medir o distanciamento social e as interações pessoais. Não é obrigatório e oferece o benefício de notificar pessoas que possam ter sido expostas ou testadas quanto a sintomas virais.

Iran

O país está desenvolvendo um aplicativo para coletar os dados de localização de milhões de usuários, combinando-o a um questionário que supostamente detecta a probabilidade de infecção, de acordo com um relatório do Vice. Dezenas de milhões de iranianos receberam um aviso sobre o aplicativo, com instruções para responder às perguntas antes de fazer os testes. Segundo um funcionário, mais de 3,5 milhões de pessoas compartilharam seus dados de localização.

Israel

Os israelenses estão usando dados de provedores de telecomunicações para rastrear a localização de milhões de cidadãos para encontrar aqueles diagnosticados com o vírus e alertar as pessoas com as quais os infectados podem ter tido contato. Os disjuntores de quarentena recebem até seis meses de prisão.

Itália

A Vodafone está fornecendo ao governo italiano mapas de calor dos seus clientes e locais, começando pela Lombardia. As autoridades compartilharam que 40% das pessoas estão se movimentando demais, de acordo com um relatório do New York Times.

Quênia

O governo queniano está usando vigilância aérea o tempo todo para rastrear a entrada ilegal no país, seja de pessoas ou bens.

Noruega

O Instituto Norueguês de Saúde Pública e a empresa de tecnologia local Simula estão construindo um aplicativo não obrigatório que rastreia dados de Bluetooth e GPS por até 30 dias.

Paquistão

O governo paquistanês está rastreando casos confirmados e enviando alertas aos cidadãos através do uso de vigilância de localização e textos em massa, rastreando pessoas que tiveram contato com eles dentro de duas semanas.

Polônia

O Quarentena Doméstica é um aplicativo que exige que os cidadãos poloneses em quarentena façam o check-in enviando uma foto deles dentro de suas casas dentro de 20 minutos após o ping. Não fazer isso significa que os cidadãos estão enfrentando uma multa. O aplicativo usa o reconhecimento facial por meio do smartphone para determinar se a pessoa está lá e os dados de localização são usados para garantir que os usuários estejam em casa.

Rússia

Usando as mais de 100 mil câmeras espalhadas pela cidade de Moscou, o governo russo está usando reconhecimento facial e rastreamento baseado em smartphone para ficar de olho nas pessoas em quarentena. Os governos locais foram chamados a criar sua vigilância, como é o caso de Níjni Novgorod. Os cidadãos precisam baixar um aplicativo que tenha um código QR cronometrado que permita que eles saiam para comprar mantimentos por três horas, uma hora para passear com o cachorro ou 30 minutos para tirar o lixo, de acordo com o Washington Post.

Cingapura

O governo de Cingapura usa um aplicativo chamado TraceTogether, que faz o ping de smartphones nas proximidades usando Bluetooth para verificar quais pessoas estão a menos de um metro e meio de distância por mais de 30 minutos, segundo o LA Times. Os dados são armazenados por 21 dias, de acordo com os desenvolvedores, e não registram dados de localização.

África do Sul

As empresas de telecomunicações da África do Sul estão fornecendo seus dados de localização de celulares ao governo para ajudar a rastrear a pandemia, segundo o Business Insider South Africa. Mais de 1500 pessoas compartilharam seus dados até o momento.

Coreia do Sul

Casos confirmados na Coréia do Sul estão sendo rastreados usando dados de compra de cartão de crédito, rastreamento de localização de smartphones, imagens de CCTV e reconhecimento facial, de acordo com a Reuters. Isso permite que o governo coreano rastreie as ações passadas de pessoas infectadas com o vírus, emparelhando os dados de localização para verificar o CCTV próximo e para ver se eles estavam usando uma máscara.

Suíça

A Swisscom alerta o governo federal se mais de 20 telefones estiverem localizados em uma área de 100 metros quadrados, ajudando o governo a impor o distanciamento social.

Taiwan

O governo de Taiwan afirma que nenhuma tecnologia de vigilância é usada, seus cidadãos estão sendo rastreados pela triangulação de sinais de celular nas torres de celular próximas.

Tailândia

A Tailândia distribui cartões SIM para pessoas que chegam de áreas de alto risco que permitem ao governo rastrear seus movimentos por 14 dias.

Peru

O governo da Turquia está rastreando a localização dos pacientes com COVID-19 usando seus dados celulares, enviando mensagens de aviso se forem detectadas violando a quarentena. As empresas de celular do país estão cooperando com o governo para fornecer os dados, de acordo com a Agência Anadolu, administrada pelo governo. Foi proposto um projeto de lei que determinaria que sites de mídia social como Facebook, Youtube e WhatsApp tivessem um representante legal na Turquia, o governo poderia pressionar para derrubar conteúdo ou banir contas, mas essas partes do projeto foram retiradas, de acordo com os Direitos Humanos Ver.

Reino Unido

O Reino Unido está trabalhando com empresas de telecomunicações para rastrear os dados de localização de seus cidadãos. O Serviço Nacional de Saúde está em parceria com a Palantir para acompanhar a disseminação do contágio e o impacto no sistema de saúde.

Estados Unidos

O setor de publicidade móvel dos Estados Unidos agora está fornecendo dados de localização para governos locais, estaduais e federais de seus clientes, de acordo com um relatório do Wall Street Journal. Os dados são usados para dizer se as pessoas estão cumprindo as instruções de ficar em casa ou se os espaços públicos ainda estão em uso. O Foursquare, que usa um dos mais abrangentes repositórios de dados de localização pessoal, está em negociações com organizações governamentais, de acordo com o WSI. Muitos dos dados coletados desses aplicativos estão abertos para revenda a terceiros.
O objetivo dos esforços é garantir a criação de um portal que rastreie o movimento de cidadãos e residentes dos EUA em cerca de 500 cidades. O Google também está adicionando seus dados de movimento ao projeto, usando serviços como o Google Maps e sua função de tráfego.

As políticas locais também tiveram uma reviravolta preocupante em muitos lugares. Moradores da Virgínia Ocidental que testaram positivo para o vírus estão sendo equipados com monitores de tornozelo GPS, de acordo com a Associated Press.

A Apple e o Google anunciaram um novo conjunto de ferramentas usadas para detectar se indivíduos tiveram contato próximo com pessoas diagnosticadas com o vírus. O software está planejado para integração com telefones Apple e Android, tornando o rastreamento mais ou menos absoluto. As configurações de privacidade do software são atualmente desconhecidas.

A empresa de policiamento preditivo PredPol aconselhou novas maneiras pelas quais os clientes podem usar seu software para controle de coronavírus em um post desta semana.

"A maioria das pessoas aceita graciosamente essas ordens para proteger seus concidadãos, mas nem todo mundo coopera, de modo que rolar um cruzador pela vizinhança periodicamente pode lembrá-los de suas obrigações", menciona o blog.

A polícia de Nova Jersey e Connecticut está usando drones aéreos com sensores de temperatura para procurar pessoas com febre em espaços públicos. Os drones são fabricados pela Draganfly, uma empresa que afirma que os drones podem detectar espirros, frequência respiratória, febres e se as pessoas estão à distância certa umas das outras.

A empresa britânica Onfido está em negociações iniciais com os governos dos EUA e da Europa sobre o desenvolvimento do que eles chamam de 'passaporte' que comprova imunidade ao vírus, de acordo com Axios.

Deixar uma Resposta

Por favor NÃO utilize este sistema de comentários para perguntas sobre pagamentos e suporte. Para solicitações de suporte técnico do SpyHunter, entre em contato diretamente com a nossa equipe de suporte técnico, abrindo um ticket de suporte ao cliente através do seu SpyHunter. Para problemas com pagamento, por favor acesse a página "Problemas ou Perguntas referentes ao Pagamento". Para solicitações genéricas (reclamaçōes, questōes legais, imprensa, marketing, direitos autorais) visite a nossa página "Perguntas e Comentários"n"